sábado, 27 de junho de 2015

CÉREBRO/MENTE


O cérebro humano é o órgão do nosso corpo que mais gasta energia para funcionar, só ele consome um quinto dos alimentos que ingerimos. Além disso, se compararmos o tamanho do cérebro de um ser humano com o de um símio houve um aumento de três vezes durante a sua evolução, além que o cérebro do símio era pequeno e apresentava na média meio litro em seu volume. O tempo de evolução entre as gerações do homem e do símio são de aproximadamente 2,5 milhões de anos, isso fez com que ocorressem diferenças, uma delas foi ao aumento de velocidade dos neurônios que chegou em 150 entre cada geração.
Nosso cérebro é o órgão mais complexo que temos, possui a incrível quantidade de 100 bilhões de neurônios. E estes neurônios são os blocos construtores do nosso cérebro e também são a base para nossos pensamentos que são realizadas na forma de impulsos elétricos, se agrupássemos todos os neurônios teríamos a possibilidade de acender uma lâmpada.
Todas as nossas ações são comandadas pelo funcionamento dos neurônios, uma forma de identificar essa influência é quando se ingere bebida alcoólica começamos a sentir certo desequilíbrio, dificuldade na fala, mudança no humor e na falta de memória. 
Já a parte do cérebro que é responsável pela capacidade de aprendermos novas tarefas e executá-las automaticamente é o cerebelo, ou pequeno cérebro. Neste ponto são armazenadas as aprendizagens relacionadas com as atividades práticas como correr, andar, brincar.
O cérebro apresenta relação com várias outras funções do corpo, a retenção da memória de longo prazo que se localiza no córtex, em outras regiões especificas localiza-se a linguagem e as aptidões sociais. Mas o que nos diferencia das outras espécies é a consciência o maior atributo do cérebro.
Na história vários filósofos tiveram a mente como objeto de reflexão, um deles foi Aristóteles que tinha como o cérebro e o coração uma intima relação entre a emoção e o intelecto. Já na modernidade temos a teoria do conhecimento ou epistemologia que principia com Kant e depois com Piaget o estudo da aprendizagem que chamou de epistemologia genética, que descreve a formação do pensamento e do conhecimento humano realizadas ao longo de sua existência.
Piaget era um psicólogo e como tal sua preocupação se direcionava aos fenômenos psíquicos e de comportamento, os neurologistas se ocupam dos distúrbios relacionados ao cérebro e qual o pesquisador que se preocuparia sobre as várias possibilidades de motivação para a aprendizagem?  
Temos a Neuroeducação, um campo recente de pesquisa, onde integram três áreas a psicologia, a educação e a neurociência, seu estudo procura entender os comportamentos da aprendizagem a partir de várias técnicas de captação de informações com a utilização de vários recursos das novas tecnologias como vídeos, multimídia, games e outros. Essa ciência busca compreender como as novas tecnologias da informação estão influenciando na aprendizagem e como eles estão produzindo novos modelos culturais.
Com a revolução técnico-científico-informacional, os meios eletrônicos nos proporcionaram a conhecer muitas regiões e problemas além dos nossos, mas para isso têm que se estar conectados. Internet, multimídia, quadro digital esses novos modelos tecnológicos continuam a promover mais exclusão já que a tecnologia é um produto caro que não está ao alcance de todos.

Em que aspecto a possibilidade de imaginar despertam novas formas de perceber a própria corporeidade e sua diversidade cultural?

No filme Gênio Indomável, podemos visualizar quando o Will é confrontado com o mundo em que vive, com situações de violência na infância, atos de agressividade e rebeldia contra a sociedade, mas no momento que ele se percebe como individuo modificador de seu futuro toda a sua postura em relação a si e a sociedade em que vive aparece em outra ótica.
Nós como professores devemos abordar o conhecimento de uma forma que o aluno se perceba dentro da realidade e que possa se sentir um agente modificador do mundo em que ele está inserido. No momento em que abordamos o tema sobre os países desenvolvimentos e a evolução de suas cidades e as várias realidades podemos descrever tanto os bairros ricos, mas também os bairros pobres e ao mesmo tem relacionarmos com as nossas cidades de países emergentes. Quando se mostra imagens do vale do silício nos Estados Unidos onde tem um parque tecnológico de alta qualidade e logo em seguida compararmos com fotos de trabalho escravo infantil separando peças de computador para reciclagem na china.


Referencia Bibliográfica:
Emergência da Neuroeducação: a hora e a vez da neurociência para agregar valor à pesquisa educacional. Ciências & Cognição 2010; Vol 15 (1): 199-210 http://www.cienciasecognicao.org
Menezes, José Eugenio de Oliveira. As formas de percepção e as mudanças culturais. In Centro Interdisciplinar de Semiótica da Cultura e da Mídia. PUC-SP http://www.cisc.org.br/portal/ 

Vídeo BBC – O corpo HumanoO Poder do Cérebro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário