sábado, 21 de novembro de 2015

Conceito de Sexualidade

A Sexualidade tem uma relação erótica com o seu externo, sendo que quando se fala em erótica diz-se prazerosa, uma relação que produz uma satisfação um bem-estar. Esta relação com algo que lhe traz satisfação faz com que acentue sua curiosidade e assim vamos acumulando aprendizagens.
Com as pesquisas de Freud, identificou-se que esta relação de prazer ou de curiosidade apresentavam algumas fases: a fase oral, quando a criança tenta conhecer o seu meio externo pela boca; a fase anal, quando a criança começa a controlar as fezes; a fálica, quando a criança começa a descobrir o seu corpo e as diferenças entre o menino e a menina; a fase de latência, que a fase de adaptação entre o sexto ano de vida até a puberdade, quando o jovens começa a trocar sua identificação parental para o outro fora da suas relações familiares e envolve assim a questão do libido, em que seu objeto de prazer é o outro.
Vale muito considerar o que Freud foi nos descrevendo no final do século XIX e início do Século XX, ele conseguiu estabelecer gradativamente uma ruptura com os dogmas da época. Antes dos estudos realizados por Freud, com a psicanálise, que estudava a questão da sexualidade tinha-se na disciplina de sexologia, apoiada está pelo campo da biologia, em que a ação do sexo era uma pré-concepção do organismo, uma função do organismo ligada a apenas na finalidade da reprodução, a pro-criação da espécie e a união do macho e da fêmea.
Com Freud, tem-se o conceito de Pulsão (Trieb) que é totalmente contrário ao instinto funciona e outra lógica. A Pulsão é uma força, um ímpeto, é o que instiga o ser a realizar uma ação, no entanto é diferente do instinto em que tem picos e declínios. A Pulsão é o impacto constante a interpelação e a uma inquietude constante.
Nos estudos de Freud, que é uma ruptura com as ideias da época, em que a pulsão da sexualidade está constante em nós e principalmente nas crianças. Como podemos entender a sexualidade na infância, como: no olhar, na boca, nos gestos. São as trocas que a criança faz com o seu corpo e o meio externo. Para entender a sexualidade na fase adulta temos que ver também como foi esse indivíduo na infância, sua trajetória.
As perversões são os territórios dos grandes desvios da sexualidade, como o fetiche, o olhar, o cheiro, um pedaço de um corpo essas práticas que estão dentro das perversões, para Freud, elas tem muito que nos elucidar sobre nós mesmos.
 A educação na vida de Freud tinha como três pontos principais:
- Em primeiro lugar, o tradicional amor aos estudos, característico dos judeus, e que passou a representar, uma oportunidade de ascensão social.
- Em segundo lugar, a Educação o introduziu à “cultura do outro lado”, à cultura de um círculo de intelectuais vienenses a que não pertencia.
- Em terceiro lugar, precisava ter acesso aos domínios do conhecimento de seu tempo para a eles poder acrescentar algo – sua própria contribuição à Ciência, e assim sobrepor ao seu desejo de saber. Transferência de um sentimento para o seu outro almejado, amado.
O trabalho de Freud, sua metodologia investigativa vinha sempre a procurar das origens dos sintomas que acometiam seus pacientes, dentro das doenças nervosas a que mais lhe chamava a atenção era a histeria. Nos estudos que Freud fez em conjunto com Breur, eles determinaram que todo trauma é um desencadeante de um sintoma, e num segundo instante que todo trauma reprimido pela pessoa fica no inconsciente por apresentar uma natureza insuportável para o paciente.
Com o andamento de seus estudos, Freud se direciona a um conceito de sexualidade onde está mais profundo do que o do contexto em que a sexualidade genital se detém que é o ato sexual. Portanto a sexualidade é mais profundo e está desde as preliminares do ato sexual, as perversões, as experiências sensuais da criança vividas em relação ao seu próprio corpo ou em contato como corpo da mãe, e onde conclui que muitos dos sintomas das histerias está relacionada as fantasias ou ações imaginárias infantis.
A libido é quando associamos um objeto sexual, ou ato, ou ser para a obtenção do prazer, e a paixão é o extremo do investimento que fazemos sobre o outro (objeto de desejo) a ponto de seu eu ficar empobrecido e enfraquecido, sob o controle do outro. Quando temos o excesso de libido e esse excesso que não está direcionada as metas sexuais, uma energia dessexualizada é a ferramenta com que a educação pode-se utilizar, quando o indivíduo a partir de excesso de energia é direcionado para os processos de pensamento mais amplo. 

Fonte: 
Bock, Ana Mercês Bahia. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva: 2008.
Ferreira, Berta Weil. Psicologia e educação. Volume 1. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.
Freud, Sigmund, 1856-1939. Volume 16: O eu e o id. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
Kupfer, Maria Cristina. Freud e a educação. O mestre do impossível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário