sábado, 7 de novembro de 2015

“Educar uma infância pós-moderna”

A partir do final do Século XX, tivemos uma transformação na forma como a sociedade pensa e a mídia se tornou tão importante nas nossas relações. Com o advento da inserção do ciberespaço no nosso dia a dia as nossas inter-relações ficou marcado pelas angústias do fracasso, de que deveríamos ter mais do que temos, de ter mais saúde de que temos, quando na realidade nem todos conseguiremos galgar o almejado sonho de perfeição e não percebemos que cada vez mais as desigualdades estão maiores e estamos cada vez mais nos distanciados do convívio com nossos amigos e familiares.
Nossa sociedade pós-modernidade, hoje nos preocupamos mais com o individualismo do que com o conjunto, que as experiências que temos elas são incompletas para compreendermos o mundo que se mostra a nossos olhos, que é uma em que todos se encontram interligados, que as informações onde antes levavam muito tempo e as distância eram enormes já tudo isso não ocorre.
Nós temos que pensar e agir hoje de uma outra forma de como vamos resolver nossos problemas, como vamos conquistar uma justiça social, individual e coletiva, como podemos adquirir um equilíbrio interior e ao mesmo tempo estarmos bem com o coletivo.  
Hoje temos uma fragilidade nas relações humanas e é com essa angustia que temos que estar constantemente trabalhando com nossas crianças e jovens, eles vivem neste mundo em que tudo instantâneo é o ideal, não são culpa deles pois foram os adultos de antes que estavam cansados de um mundo cheio de fracassos dos “sonhos coloridos” que os conduziram. Não é culpa de nossos jovens estarem conectados em um mundo em que as vivências são virtuais, de filmes fantásticos, de novelas de final feliz, de séries fantásticas, de livros de auto-ajuda, das redes sociais em que podemos nos conectar ou desconectar a penas apertando uma tecla de “delete” em viver um mundo de utopias.
Nos dizeres do sociólogo Zygmunt Bauman, “Atravessamos o inverno e a casca é fina, se andarmos devagar o chão racha”, viver é uma experiência instigante e precária, que está rodeada de inseguranças e incertezas e neste patamar que nossos jovens não estão sabendo vivenciar. Já conhecemos nossos problemas, insegurança no trabalho, amores voláteis, desapego ao outro, violência constante, mas não estamos vendo como resolver esses problemas estamos tão preocupados em acha-los que estamos esquecendo de como soluciona-los.
Para os tempos atuais a educação deve se reformar, já que a sociedade que apresenta se diferencia, estamos agora trabalhando já com um conhecimento pronto e acessível nas mídias, temos que transformar esse conhecimento. Devemos propor constantemente aos nossos jovens incentivos de como projetar um caminho, planeja-lo e como encontrar várias soluções para algumas ações.
A escola deve achar esse caminho de que os jovens precisam, pois esse jovem que chega a nós na escola é um ser inacabado e é na escola que completa sua formação interior nas suas relações interpessoais, nos ensinamentos com que os professores propõem a eles. Decorar não se precisa mais pois temos computadores que fazem isso com uma grande capacidade de armazenamento, mas pensar, sentir e conviver isso o computador não nos traz isso é uma capacidade humana e o mais difícil de se fazer que é pensar criticamente. E achar esse caminho, ou seja, esses vários caminhos é a grande mina de ouro que nós educadores estamos procurando, não há uma solução perfeita, mas uma infinidade de formas de direciona-la até chegar à um consenso final.

REFERÊNCIA

FISCHER, Rosa Maria. Dispositivo pedagógico da mídia: formas de educar na (e pela) TV. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.1, p. 151-162, jan./jun. 2002. Texto completo disponível em:
Momo, Mariângela. “Mídia e consumo na produção da infância pós-moderna”. REU, Sorocaba, SP, v. 36, n. 1, p. 67-87, jun. 2010.
Rego, Teresa Cristina (org.). Educação, escola e desigualdade. Coleção Pedagogia Contemporânea, Vol. 1, Rio de Janeiro: Vozes; SP, Editora Segmento.
Vídeo de Zygmunt Bauman e a Pós-Modernidade para ampliar os conceitos de pós-modernidade. https://www.youtube.com/watch?v=58MMs5j3TjA acessado 31/10/2015.
Vídeo RIA Festival 2014 - Painel: Educação.com. Conversa que aconteceu no dia 28/08 no RIA Festival sobre educação e o papel da tecnologia no aprimoramento das escolas brasileiras com Viviane Mosé, Andre Gravatá, Seth Schoenfeld e Luciano Meira. https://www.youtube.com/watch?v=dbkZjVaa6Gw acessado 01/10/2015.
Vídeo: Zygmunt Bauman - Fronteiras do Pensamento



Nenhum comentário:

Postar um comentário