quarta-feira, 11 de maio de 2016

Teoria do Brincar - Parte 1



        Muitos dos estudos foram realizados sobre o brincar e a sua influência no desenvolvimento infantil e por que a criança se motiva com esta atividade. Dentre essa gama de profissionais temos várias áreas tas como filósofos, biólogos, historiadores, psicólogos, psicopedagogos e muitos outros. 
       Um deles foi Lev Vygotsky, esse psicólogo procurou compreender o desenvolvimento dos processos psicológicos ao longo do desenvolvimento da criança e que esta necessita do outro para desenvolver-se, então o ser humano se constitui como um ser social. Todo educador deve ser um mediador e estar constantemente ampliando o repertório cultural, como propondo situações que façam está criança desenvolver solução para as dificuldades. Para Vygotsky também o desenvolvimento em que a criança se encontra é importante, pois tem relação com as motivações que ela as tem, já que na faixa pré-escolar apresenta sentimentos e emergências diferentes do que na adolescência.


Já para Donnnald Winnicott, acrescenta que o meio a qual está criança vive influência no seu desenvolvimento interno e na sua imaginação, conforme as experiências as quais ela vive, vai se criando zonas intermediárias e assim ela vai suprindo com objetos que se encontram em seu entorno com isso tende a aliviar suas angustias e faz com que controle seus sentimentos. 

Textos:
CARVALHO, Alysson [el at.] org. Brincar(es) Beo Horizonte: Ed. UFMG: Pró-reitoria de Extensão/UFMG, 2005. Texto Concepções do brincar na psicologia.

Um comentário:

  1. Jaqueline, legal tua postagem sobre as teorias do brincar. Interessante que sempre inclua suas reflexões sobre os temas abordados, no sentido de unir a teoria estudada com a prática vivenciada, possibilitando assim, uma troca bem significativa.

    Katielle
    Tutora Ludicidade

    ResponderExcluir